25 de maio de 2022
Salve Santa Luzia! Salve Gonzagão!

Salve Santa Luzia! Salve Gonzagão!

Imagem: Capa do disco

Ela morreu num 13 de dezembro, há séculos. 

Ele nasceu num 13 de dezembro, há 109 anos. 

Santa Luzia viveu no século 3 A.C.  

Luzia, nasceu na pequena localidade italiana de Siracusa. 

Segundo a história, foi sacrificada por recusar-se a aceitar o jovem escolhido pela mãe para com ela viver.  

Luiz Gonzaga do Nascimento, um dos nove filhos do casal Santana e Januário, tinha 36 anos de idade quando o grupo musical Quatro Ases e Um Coringa, formado por jovens estudantes cearenses, lançou para o mundo a música Baião.  

Baião era um novo ritmo musical, que rapidamente caiu no gosto popular.  

Muita água rolou por debaixo da ponte até que Luzia virasse santa e Gonzaga o rei do Baião.  

Historicamente, o povo brasileiro, notadamente o do Nordeste, é católico.

É difícil encontrar um nordestino que, nos momentos de aflição, não se apegue a um santo, a um padroeiro. 

E Gonzagão não era diferente. 

A religiosidade dele salta aos olhos em sua obra. 

Deus, Jesus, Padre Cícero, Frei Damião. Estão todos lá, entre as 627 músicas que gravou. E lá também está a santa da sua predilação. 

Depois de perder a luz de um dos olhos, o esquerdo, Gonzaga agarrou-se fervorosamente a santa tida pela Igreja Católica como a protetora dos homens e mulheres cegos: Santa Luzia. 

Tanto que um dia Gonzaga pediu ao compositor, cantor e instrumentista mineiro Téo Azevedo que escrevesse uma letra falando da santa. O tempo passou e o pedido foi atendido. O resultado disso foi Padroeira da Visão, música que foi gravada pelo compositor e sanfoneiro Dominguinhos.

Padroeira da Visão abre o repertório do CD Salve Gonzagão que conquistou o Grammy Latino em 2013. 

https://prensa.li/jornalistasonline/salve-santa-luzia-salve-gonzagao/

Escrito por
Assis Angelo