20 de maio de 2022
Janaína Paschoal se candidata a senadora com quatro anos de atraso

Janaína Paschoal se candidata a senadora com quatro anos de atraso

Janaína Paschoal se candidata a senadora com quatro anos de atraso

Foto: Orlando Brito

Disputa da vaga do senado paulista em 2022 pode ter três mulheres bolsonaristas no páreo 

Janaína Paschoal vai ser candidata a senadora por São Paulo na eleição do ano que vem. 

A deputada estadual mais votada da história do Brasil não terá, desta vez, uma tarefa fácil como foi sua primeira eleição. Para disputar a única vaga a que os paulistas têm direito ao Senado em 2022, há vários concorrentes fortes. 

Por enquanto, são prováveis adversários de Janaína: Márcio França, José Luiz Datena, Aloízio Mercadante, Eduardo Suplicy, além do próprio senador José Serra que, dependendo de seu estado de saúde, pode concorrer à reeleição. 

Não está descartada também a possibilidade de Fernando Haddad disputar o posto pelo PT, caso o provável acordo entre Lula e Alckmin lhe retire a candidatura ao Palácio Bandeirantes. 


Facebook da Janaina Carla e Bolsonaro: Propaganda campanha política passada.

Além desses pesos-pesados eleitorais, Janaína Paschoal vai ter ainda uma adversária dentro de seu próprio quintal: a doutora Nise Yamaguchi, essa mesma. A médica que liderou a campanha pelo uso da cloroquina no início da pandemia e que foi apontada como uma das principais figuras do tal comitê paralelo de Bolsonaro, anunciou sua intenção de concorrer ao Senado esta semana. 


Orlando Brito

Como não é filiada a partido algum, disse que para realizar seu desejo vai “procurar o partido mais ético e correto” que encontrar . 

(Essa busca é fadada ao mesmo insucesso de Diógenes de Sinope que andava pelas ruas de Atenas em pleno dia com uma lanterna acesa, procurando um homem honesto. Mas essa é outra história). 

Não está descartada, também, a candidatura ao Senado de Carla Zambelli, a bolsonarista das bolsonaristas, e – em última hipótese – do próprio Sérgio Moro, caso suas pretensões presidenciais sejam desconstruídas. 

Aliás, Janaína acredita nisso, ou seja, que a candidatura de Moro vai naufragar no decorrer da campanha. 

Segundo conjecturou em uma entrevista à Jovem Pan (onde seu lugar de fala é sempre garantido), a candidatura de Moro é uma espécie de “boi de piranha” da estratégia do governador João Dória. 

Ela argumenta que políticos ligados a Dória e integrantes da recém-formada União Brasil estejam apoiando Moro no início da corrida eleitoral para ele sofrer todos os ataques agora e cair nas pesquisas, permitindo que o governador paulista surja depois como o salvador da terceira via. 

É uma teoria da conspiração bem improvável. Mas se isso vier a ocorrer, pior para Janaínaí que daí não terá mesmo chances de chegar ao Senado Federal. Mesmo no melhor dos mundos, sua situação hoje é bem diferente da eleição de 2018, quando bastou estalar os dedos para obter mais de dois milhões de votos. 

Ao decidir-se ficar na província, Janaína Paschoal pode ter perdido naquela oportunidade o trem da história para Brasília.

https://prensa.li/jornalistasonline/janaina-paschoal-se-candidata-a-senadora-com-quatro-anos-de-atraso/

Escrito por
José Luiz Teixeira