16 de outubro de 2021
Klévisson Viana é multitudo!

Klévisson Viana é multitudo!

O cearense Klévisson Viana é ilustrador, quadrinista, cartunista, cordelista e mais um monte de coisas ligadas à cultura popular. É palestrante, oficineiro, roteirista, declamador e tudo mais. Fala pelos cotovelos. Tem uns 40 livros publicados até agora e pelo menos 200 títulos de folhetos de cordel de sua autoria rolando na mão do povo. É também editor e criador da Tupynanquim.

Por essa editora já publicou mais de mil folhetos de autores iniciantes e famosos como José Costa Leite, Antônio Américo de Medeiros, Vicente Viturino, Marco Haurélio, João Firmino Cabral, Rouxinol do Rinaré e Mestre Azulão.

“O paraibano Azulão, foi um dos grandes criadores da literatura de cordel”, diz Klévisson Viana, acrescentando: “A obra desse mestre se acha completa no acervo da nossa Tupynanquim”. Miolo da Rapadura é um dos seus livros incluídos na rede de bibliotecas e salas de leitura do Estado do Ceará.

Marco Haurélio, Assis Angelo, Klévisson Viana

Esse é um livro recheado de histórias desenvolvidas em textos corridos e em versos. Belíssimo. Com ilustrações, inclusive.Filho de seu Evaldo e de dona Hathiane e irmão de Arievaldo, Itamar, Marcos Aurélio, Autemar e Evandra, Klévisson Viana é provavelmente o mais importante artista da cultura popular brasileira, na atualidade. É múltiplo, multimídia, multitudo. Klévisson iniciou a carreira ilustrando textos no jornal A Voz do Povo, de Canindé, CE. Tinha uns 15, 16 anos de idade. Depois, aos 17 anos, ingressou como cartunista do jornal O Povo, de Fortaleza, CE.

É muito difícil falar de pessoas queridas, de pessoas que vivem à nossa volta.
Conheci Klévisson Viana há duas décadas, quando participou da exposição 100 Anos de Cordel. Essa exposição, inaugurada no Sesc Pompéia, SP, em agosto de 2001, foi idealizada pelo jornalista alagoano Audálio Dantas (1929-2018). Fiz parte dessa exposição, como curador da parte referente a poetas repentistas. Dessa parte participaram Ivanildo Vila Nova, Oliveira de Panelas, Valdir Teles, Geraldo Amâncio, Andorinha, Sebastião Marinho, Mocinha de Passira e tantos outros.


Xilogravador, em 2001 Klévisson fez a sua primeira gravura em São Paulo.
Foi nesse mesmo ano que Klévisson escreveu com Téo Azevedo um folheto intitulado “A peleja de São Paulo com o monstro da violência” e um outro com seu irmão Arievaldo Vianna (1967 – 2020) sobre Bin Laden e a destruição das torres gêmeas em Nova Iorque (Trend Center).

Sua primeira xilogravura teve como “modelo” o autor do livro Dicionário Gonzagueano, que não por acaso vem a ser eu. Klévisson cresceu e ficou do tamanho do mundo, de um mundo sem tamanho. Correndo rápido que nem uma onça, em disparada que nem um tufão, Klévisson entendeu muito cedo que era preciso voar. E com as asas do pensamento tem realizado tudo que se possa imaginar.


Está se transformando num ser sem fronteiras.
A obra de Klévisson Viana já é conhecida em várias línguas, desde a França: México, Portugal, Turquia, Bélgica…


Há uns 10 anos fiz um roteiro sobre a vida do rei do baião, Luiz Gonzaga, para Klévisson quadrinizar (Leia: LUIZ GONZAGA O REI DO BAIÃO). Ficou muito bonito. Por esse tempo também compus com ele dois textos: um sobre Dom Quixote e outro sobre Patativa do Assaré, ambos musicados e gravados pelo baiano Gereba. Ouça: QUIXOTEANDO
Um dos folhetos de Klévisson, A Quenga e o Delegado, foi adaptado para a série Brava Gente (TV Globo, 2001). A personagem feminina do folheto teve a brilhante interpretação de Ana Paula Arósio. Confira:

Escrito por
Assis Angelo