24 de outubro de 2021
Forró pra Anastácia

Forró pra Anastácia

Flores em vida, já dizia Nelson Cavaquinho (1911-1986) no samba Quando Eu Me chamar Saudade. Há muitos brasileiros e brasileiras talentosos. Carlos Gomes (1836-1896), o maestro, foi o primeiro grande compositor operístico das Américas. Era de Campinas, SP. Muitos artistas, professores e cientistas nascidos no nosso País não receberam as devidas homenagens em vida. Isso precisa mudar. Sempre fui a favor de palmas em vida.

Já compus com parceiros músicas ressaltando o valor e a criatividade de grandes brasileiros como Luiz Gonzaga (1913-1989), Geraldo Vandré, Rosil Cavalcanti (1915-1968), Inezita Barroso (1925-2015) e agora Anastácia.

A cantora pernambucana Anastácia começou a gravar músicas em 1961. Foi nesse ano que ela chegou a São Paulo, decidida a ganhar fama e reconhecimento. Conseguiu, depois de gravar centenas de músicas dela própria e de outros compositores. A história dessa artista é uma história incomparável. Foi ela a primeira compositora de forrós. Antes dela, havia uma intérprete de forrós: Marinês (1935-2007). Marinês foi uma das grandes vozes femininas da nossa música. Nasceu em Pernambuco, como Anastácia.

Há pouco, Jorge Ribbas e eu compusemos Forró para Anastácia. Até aqui, ninguém havia composto obra especialmente em homenagem a essa artista. Tomara que ela goste do que fizemos. A música consta de um EP que já se acha em todas as plataformas. Jorge explica: “‘Mantendo a chama‘ possui uma música minha em parceria com Assis (Forró para Anastácia).

A criança da capa (minha neta) remete à esperança da tradição como polo de sustentação de identidade e pertencimento a um lugar, representada pela roupa e pelo chuveirinho (fogos de artifício)  típicos dessa época. Essa caracterização introduz ao áudio do forró pé-de-serra bem tradicional, identificado pelos ritmos do xote e do baião”. 

Festival MEC

Jorge Ribbas, doutor em música pela Universidade da Paraibana, está participando do festival da Rádio MEC. A música inscrita e classificada é Pentagonia. Diz Jorge: “‘Pentagonia’ compus em homenagem à influência do filósofo grego Pitágoras na música e na cultura ocidental”.

O resultado do festival da Rádio MEC sairá no próximo 23/9

Escrito por
Assis Angelo