18 de outubro de 2021
150 anos do hino “A Internacional”

150 anos do hino “A Internacional”

Ouço no rádio notícia dando conta que um novo software está na praça aterrorizando jornalistas. É de origem israelense e já se acha nas mãos de governos que desrespeitam as pessoas e seus direitos.

O jornal The Guardian, de Londres, foi o primeiro jornal a dar notícia, sábado 18/07. E como uma coisa puxa a outra, lembrei-me que Londres foi o lugar que acolheu Karl Marx (1818 – 1883). Marx tinha 23 anos quando começou a ser perseguido pelos governos. Da sua terra, inclusive. Lembrei-me também que foi em Londres que Marx (e Engels) lançou o Manifesto Comunista, em 1848. Lembrei-me ainda que foi a partir das ideias de Marx (e Engels) que o Exército Prussiano meteu bala e encheu de sangue as ruas de Paris, em 1871.

Foram muitos os mortos naquele ano, precisamente no decorrer da última semana de maio. Há 150 anos, portanto. Antes e depois de 1871, os jornais de direita tascaram o pau em Marx. Entre esses jornais, o Liberatión, que chegou a publicar uma carta falsa assinada por Marx. Pois é, Fake News já naquele tempo.

O massacre de 1871 resultou na morte de pelo menos 30 mil integrantes e simpatizantes da Comuna de Paris. Além dos mortos, entre os quais mulheres e crianças, foram presas pelo menos 15 mil pessoas. Logo após o massacre, que entrou para a história como o mais violento do século XIX da Europa, o poeta francês Eugène Pottier (1816 – 1887) escreveu a letra do hino A Internacional. Essa letra ganhou melodia do franco-belga Pierre De Geyter (1848 –1932). Resultado: essa obra foi gravada em muitos idiomas.

Mas cá pra nós: ainda prefiro a canção Pra Não Dizer que Não Falei de Flores, do paraibano Geraldo Vandré.Detalhe: não custa lembrar que Marx foi o primeiro filósofo a expor a ideia favorável a imposto único, escola gratuita para todos, direitos do trabalhador, trabalho zero para criança e respeito às mulheres. Marx nasceu em berço macio, na Alemanha, e comeu o pão que o diabo amassou depois dos 20 anos de idade. Teve 7 filhos, mas só três chegaram à idade adulta. Eram mulheres, mas duas delas se suicidaram.

Escrito por
Assis Angelo